domingo, julho 14, 2024
HomeCidadesEstado de SPHomem que atirou em casal na rodovia Castello Branco é preso em...

Homem que atirou em casal na rodovia Castello Branco é preso em Alumínio, no interior de São Paulo

O empresário Adriano Domingues da Costa, que era procurado por atirar contra o carro de um casal em Boituva, interior de São Paulo, na Rodovia Castello Branco, na sexta-feira (14), foi preso em Alumínio, a cerca de 50 quilômetros do local do entrevero, no início da tarde desta quarta-feira (19). Costa havia combinado de se entregar e estava se dirigindo a Delegacia de Itapetininga, mas foi interceptado por policiais rodoviários e detido devido a um mandado de prisão contra ele. O empresário, que usou uma pistola com numeração raspada para atirar contra Gabrielle Gimenez e William Isidoro durante uma briga de trânsito, será submetido a exame de corpo de delito e encaminhado para uma unidade carcerária da região. “Ali não tem santinho, não. Eles quase mataram minha família”, desabafou, ao chegar à delegacia. Adriano não possui porte nem registro da arma utilizada no crime.

No domingo (16), policiais cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa de Adriano da Costa em Mairiporã (SP), onde encontraram um cofre — que será aberto na delegacia, na presença dele — e o passaporte do suspeito. Na segunda-feira (17), o advogado de Costa entregou a pistola calibre .380 e solicitou que a Justiça reconsiderasse o mandado de prisão temporária, mas o pedido foi negado. Adriano era considerado foragido até a manhã desta quarta-feira. Diversos vídeos mostram o momento em que ele atira três vezes, sendo na direção de Gabrielle e duas nos pneus do veículo. A briga de trânsito começou quando o veículo de Adriano, uma caminhonete Hilux, foi fechado por uma Tracker. Após a colisão, Adriano desceu armado e disparou contra o casal, acertando o vidro da frente e os pneus. Gabrielle e William prestaram depoimento à Polícia Civil por videoconferência na noite de segunda-feira (17). O caso está sendo investigado pela Polícia Civil como tentativa de homicídio por motivo fútil.

spot_img


Leia mais

Mais lidas

Homem que atirou em casal na rodovia Castello Branco é preso em Alumínio, no interior de São Paulo

- Advertisement -[post-views] vezes

O empresário Adriano Domingues da Costa, que era procurado por atirar contra o carro de um casal em Boituva, interior de São Paulo, na Rodovia Castello Branco, na sexta-feira (14), foi preso em Alumínio, a cerca de 50 quilômetros do local do entrevero, no início da tarde desta quarta-feira (19). Costa havia combinado de se entregar e estava se dirigindo a Delegacia de Itapetininga, mas foi interceptado por policiais rodoviários e detido devido a um mandado de prisão contra ele. O empresário, que usou uma pistola com numeração raspada para atirar contra Gabrielle Gimenez e William Isidoro durante uma briga de trânsito, será submetido a exame de corpo de delito e encaminhado para uma unidade carcerária da região. “Ali não tem santinho, não. Eles quase mataram minha família”, desabafou, ao chegar à delegacia. Adriano não possui porte nem registro da arma utilizada no crime.

No domingo (16), policiais cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa de Adriano da Costa em Mairiporã (SP), onde encontraram um cofre — que será aberto na delegacia, na presença dele — e o passaporte do suspeito. Na segunda-feira (17), o advogado de Costa entregou a pistola calibre .380 e solicitou que a Justiça reconsiderasse o mandado de prisão temporária, mas o pedido foi negado. Adriano era considerado foragido até a manhã desta quarta-feira. Diversos vídeos mostram o momento em que ele atira três vezes, sendo na direção de Gabrielle e duas nos pneus do veículo. A briga de trânsito começou quando o veículo de Adriano, uma caminhonete Hilux, foi fechado por uma Tracker. Após a colisão, Adriano desceu armado e disparou contra o casal, acertando o vidro da frente e os pneus. Gabrielle e William prestaram depoimento à Polícia Civil por videoconferência na noite de segunda-feira (17). O caso está sendo investigado pela Polícia Civil como tentativa de homicídio por motivo fútil.



Leia mais

Mais lidas